CURRAL METÁLICO FIXO AUTOMATIZADO PLATAFORMA DE MANEJO SERINGA CIRCULAR 225 GRAUS CORREDOR COLETIVO REGULÁVEL 6m SISTEMA ELETROHIDRÁULICO AÇÔRES (patente requerida junto ao INPI)

CURRAL METÁLICO FIXO AUTOMATIZADO PLATAFORMA DE MANEJO SERINGA CIRCULAR 225 GRAUS  CORREDOR COLETIVO REGULÁVEL 6m  SISTEMA ELETROHIDRÁULICO AÇÔRES (patente requerida junto ao INPI)

ÚNICO DO MUNDO COMANDADO POR CONTROLE REMOTO VIA RADIOFREQUÊNCIA

(PARA 02 OPERADORES: UM PARA AS OPERAÇÕES DA SERINGA E OUTRO,
PARA AS OPERAÇÕES DO TRONCO, DA BALANÇA E DAS APARTAÇÕES)

WHATSAPP

Faça um orçamento agora mesmo

INTRODUÇÃO

Após 16 anos de vasta experiência de sucesso com currais metálicos móveis (instalados, testados e aprovados nas maiores agropecuárias do Brasil), a Açôres analisou que o mercado amadureceu e se tornou mais exigente. A experiência e o conhecimento amplo sobre o mercado agropecuário mundial direcionaram o trabalho da empresa e viabilizaram encontrar soluções para o setor que vão ao encontro das necessidades atuais: aumentar a produtividade por meio de ferramentas de gestão, diminuir a mão de obra e implementar o manejo racional. Nessa perspectiva, a Açôres vivencia mais uma fase especial e apresenta o que há de mais moderno e sofisticado na linha de currais e de troncos para contenção e manejo de bovinos do mundo.

Balanças Acores

CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO

CURRAL METÁLICO FIXO AUTOMATIZADO PLATAFORMA DE MANEJO SERINGA CIRCULAR 225 GRAUS
CORREDOR COLETIVO REGULÁVEL 6m SISTEMA ELETROHIDRÁULICO AÇÔRES visa atender propriedades com grande volume de manejo de cria, recria e engorda e que exigem um sistema prático e com menos mão de obra.

Possui seringa de 225 graus, composta por um pivô central eletrohidráulico fixo que transporta o portão de 3 metros em movimento circular, no sentido de 270 graus. O portão é articulado de forma corrediça, tipo “vai e vem”, buscando os animais que se encontram na espera e conduzindo-os para o corredor coletivo. Esse procedimento reduz o estresse dos animais causado pelo o mau manejo dos operadores.

A seringa eletrohidráulica é controlada a distância por apenas um operador, por meio de um exclusivo controle remoto via radiofrequência.

O controle remoto ACR JOYSTICK, exclusivo da Açôres, permite que os movimentos sejam monitorados a distância, via radiofrequência. Ao todo, ele controla três dispositivos, tipo joystick no pivô central (J1) porteira circular 270 graus – movimento giratório – direita e esquerda; (J2) porteira circular 270 graus – movimento corrediço – direita e esquerda; (J3) Comanda o portão de 2 folhas dentro do corredor coletivo, mandando para o tronco de contenção, um animal de cada vez.

VANTAGENS

– Maior gestão dos dados;
– Promove o aumento da produtividade e consequentemente o aumento da lucratividade;
– Redução significativa de mão de obra;
– Menor trabalho necessário para o operador – sistema exige menos esforço físico por ser operado por um controle remoto a distância;
– Maior segurança para os animais e para o operador;
– Menos tempo de trabalho;
– Redução de estresse em animais e seres humanos proporcionado pelo comando remoto a distância;
– Elimina agressão ao animal causada pelos operadores, como choques, ferrões e gritarias;
– Sistema prático e fácil das operações, pois não requer experiência ou habilidades para o manuseio;
– Tecnologia eletrohidráulica (100% nacional) que viabiliza maior velocidade nos acionamentos, menor volume de mangueiras, maior precisão na contenção do animal e ajustes da pressão/força em todos os acionamentos vitais.

CFMM_box

DESCRIÇÃO DO SISTEMA ELETROHIDRÁULICO (SERINGA CIRCULAR 225º)

01 unidade eletrohidráulica com motor bomba de 7,5 CV – 4 P – com nível de tensão especificado pelo cliente.
Observação: no momento da venda, nosso técnico entra em contato com a propriedade para verificar o nível de tensão elétrica.

Bomba hidráulica variável de 38 litros por minuto. A escolha pela utilização dessa bomba é que o fluxo de óleo não é contínuo, como na bomba de engrenagem. O óleo só circula no sistema quando o comando é ativado, evitando aquecimento do óleo e aumentando a vida útil do próprio óleo, da bomba e das mangueiras.

Reservatório 140 litros com bocal de enchimento com filtros de ar, visor de nível com termômetro, filtro de retorno 10 micras e filtro de sucção.

Bloco manifolde com eletroválvulas 24 VDC, válvulas modulares duplas, vazão e pressão para todos os acionamentos (mais opcional de bloco de manifolde com eletroválvulas para acionamento do conjunto de apartadores) e (3) três modelos de apartadores: 3 saídas, 5 saídas e 7 saídas.

Mangueiras para os pistões: 3/8 SAE 100R AT – 330 BAR (4.785 PSI) e 1/2 SAE 100 R 2 AT 275 BAR (4.000 PSI).

ATENÇÃO! A BOMBA HIDRÁULICA e o MOTOR devem ser instalados à distância de 8 a 15 metros das áreas de manejo, evitando que barulhos e ruídos interfiram no trabalho.

CORREDOR COLETIVO SIMPLES

O CORREDOR COLETIVO DE 3 METROS, opcional para 6, 9 e 12 metros, é confeccionado com painéis com tubos quadrados (80×80 milímetros) e parede (5 milímetros) aparelhados nas quatro faces do corredor.

Sua parte superior tem forma tubular redonda (60 milímetros) e sua parte inferior é uma chapa de polipropileno (1 polegada) com regulagem inferior para vários tipos de animais.

Possui exclusiva saída salva-vidas para casos de queda do animal e portão automatizado tipo duas folhas no meio do corredor, para sempre deixar 1 animal na espera do tronco de contenção.

CFMM6

TRONCO-GRAN-SMART-PRIME-02-19-04--teste

CFMM8

 

Modelos:

1- TRONCO GRAND SMART PRIME
2 – TRONCO JUNIOR SMART PRIME
3 – COMPACT SMART PRIME

Os modelos da família SMART PRIME ELETROHIDRÁULICO possibilitam acesso total ao animal, por meio de quatro portões laterais, cada um deles com duas janelas superiores e duas inferiores em chapas de polipropileno (1 polegada de espessura). O fechamento e abertura dos portões são feitos por trincos com sistema “bate-fecha”, garantindo praticidade e segurança ao manejo.

– Conta com sistema de regulagem da largura da grade inferior, facilitando a contenção de bezerros, além da exclusiva viga vertical salva-vidas com rápido e seguro acionamento em caso de queda do animal dentro do gradil;
– Não tem pontas ou saliências que possam machucar o animal;
– Possui pescoceira cônica (17 centímetros de espessura) e mais um alongador fixo que segura a cabeça do animal com absoluta eficácia. Seu revestimento em borracha importada garante que o animal não se machuque no momento do manejo.

O tronco é fabricado com uma estrutura de tubo em aço quadrado (80×80 milímetros), com parede (5 milímetros) soldada para que os parafusos não sofram acomodações, dispensando reapertos. Sua robusta estrutura em aço associada à qualidade de seu revestimento (determinada por sua resistência à corrosão) faz do equipamento o mais forte e o de melhor custo-benefício do mercado.

ESPECIFICAÇÕES ( TRONCO GRAND SMART PRIME )

– Portão anticoice de tombar ao contrário;
– Sistema de cambão regulável tipo australiano;
– Roldanas de polipropileno;
– Argolas auxiliares para casqueamento e imobilização;
– Assoalho em madeira cumaru ferro tipo exportação revestido com piso emborrachado da Açôres;
– Assoalho divido em duas partes para facilitar a limpeza do tronco;
– Kit Trapézio para dar mais segurança e agilidade às castrações e inseminações.

Obs: os modelos Tronco Junior e Compact, não possuem portão anticoice de tombar ao contrário e kit trapézio.
ETAPAS PARA O TRABALHO COM O TRONCO ( GRAND SMART PRIME )

1. Abertura do portão de entrada;
2. Condução do animal até a pescoceira, com o trapézio;
3. Imobilização do animal pela pescoceira;
Para facilitar, a imobilização do pescoço do animal é feita em 3 tempos: No 1º tempo, o operador manda a pescoceira para a etapa de meia pescoceira, preparando-a para a “pegada”.
No 2º tempo, o operador imobiliza o pescoço do animal.
No 3º tempo, o operador abre completamente a pescoceira.
4. Acionamento das partes móveis do tronco (grade inferior e grade superior) para imobilização do corpo do animal por inteiro, sem apertar o vazio, acomodando-o de modo confortável, em movimento apelidado “sanduíche”;
5. Realização do manejo;
6. Abertura de todo o equipamento para liberação do animal;
7. E, assim, sucessivamente.

Observação: caso tenha o opcional Apartador, é possível escolher a saída desejada por meio do mesmo controle ACR JOYSTICK do tronco.
É comandado por outro controle remoto via radiofrequência e requer um único operador para, ao mesmo tempo, comandá-lo e fazer a contenção e os apartes, reduzindo a mão de obra e dando maior agilidade ao manejo.

O controle remoto ACR JOYSTICK, exclusivo da Açôres, permite que os movimentos sejam monitorados a distância, via radiofrequência. Ao todo, ele controla sete dispositivos, tipo joystick: (J1) portão entrada, (J2) portão pescoceira, (J3) grade superior, (J4) grade inferior, (J5) portão saída, (J6) anticoice, (J7) trapézio ou empurrador. Além disso, tem 3 modelos de apartações como opcionais: aparte 3 saídas, 5 saídas e 7 saídas, também monitorados pelo mesmo controle.

joystick

 

embarcadouro

MÉTODO DE PROTEÇÃO ANTICORROSIVA

– Banhos químicos anticorrosivos;
– Pintura eletrostática.

Essas duas técnicas associadas aumentam a vida útil do produto, pois se configuram um rigoroso método anticorrosivo.

DIMENSÕES TÉCNICAS

Tronco (Grand Smart prime) com chassis, barras e trapézio: 2,75 m Abertura interna superior: 0,90m Abertura interna inferior: 0,60m Largura superior: 2,10m Largura inferior: 1,30m Comprimento total: 3,70m Tecnologia eletrohidráulica (100% nacional) que viabiliza maior velocidade nos acionamentos, menor volume de mangueiras, maior precisão na contenção do animal e ajustes da pressão/força em todos os acionamentos vitais.
MANUTENÇÃO E CUIDADOS

Todas as peças da Plataforma Circular que tenham movimento devem estar sempre lubrificadas com WD40, entre elas, as articulações, os eixos das roldanas. Nunca use graxa, pois, quando associada à poeira, deixa as articulações pesadas para o trabalho.

Mantenha sua Plataforma sempre limpa para manter as condições de uso em conformidade com a qualidade Açôres.

Não faça a manutenção nos pistões sem antes falar com a fábrica.

ATENÇÃO: Obrigatoriamente, ao atingir as primeiras 400 horas de uso, deve ser agendado uma assistência técnica especializada Açôres, para a troca do filtro e do óleo da bomba hidráulica variável. As próximas trocas ocorrerão de 1000 em 1000 horas de uso.

TRANSPORTE

O cliente deve estar ciente de que o produto será entregue na fazenda da seguinte forma:

– Desde que a estrada esteja em condições normais transitáveis;
– Caso o transportador detecte que não há condições transitáveis, o produto será entregue em local mais próximo combinado e todas as despesas extras correrão por conta do cliente.

GARANTIA DO EQUIPAMENTO

A Açôres atesta a qualidade de seus produtos e serviços e garante aos seus clientes o reparo dos equipamentos caso apresentem problemas durante o uso normal e de acordo com os termos de garantia que seguem:

1 – Garantia de 60 (sessenta) meses a contar da data do faturamento do equipamento especificado (parte estrutural da Plataforma Circular).

Observação: os pistões e toda a parte eletrohidráulica do equipamento terão garantia de 12 meses.

2 – Para uso da garantia, o equipamento será reparado nos seguintes casos:
– Defeitos de fabricação ou danos decorrentes do uso CORRETO do equipamento, dentro dos prazos acima estipulados;
– Aquisição feita diretamente na fábrica ou em postos de vendas credenciados da Açôres;
– Os serviços de reparo serão efetuados na fábrica pelo departamento de assistência técnica ou pelos postos autorizados da Açôres;
– Fretes e riscos de transportes correrão por conta do cliente;
– O atendimento de assistência técnica, dentro do prazo de garantia do equipamento, no local de instalação do cliente, ou em seus Autorizados mais próximos, todas as despesas do técnico (viagens, estadias, alimentação, mão de obra necessária e fretes) correrão por conta do cliente.

3 – As garantias perdem sua validade nos seguintes casos:
– Serviços de assistência prestados por técnicos não autorizados pela Açôres;
– Mau uso, alteração e/ou violação do produto;
– Danos por acidentes ou condições anormais de operação;
– Em casos de incidência de descargas atmosféricas ou sinistras;
– A não utilização do equipamento na função específica a que se destina;
– A não execução das instalações do equipamento recomendadas, de acordo com os desenhos padrões fornecidos pela Açôres.